quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

Carta da Mimi aos seus intercessores


A querida Mimi, que se encontra gravemente doente, e por quem aqui pedi as orações, endereça aos seus intercessores  esta carta:

CARTA AOS MEUS INTERCESSORES

No pior cenário da nossa saúde nunca pensamos poder ter cancro, mas ele existe e tem nome…
Tenho encarado o meu com tranquilidade, não por inconsciência, mas porque estou a ser suportada por um exército.

Agradeço a Deus, sempre fiel, Ele tem estado ao meu lado em cada fracção de segundo e tem dado entendimento aos médicos;
Agradeço aos meus filhos, eu sempre soube que eram os melhores, porém, eles têm superado todas as expectativas;
Agradeço o sorriso dos meus netos, as perguntas que fazem e, acima de tudo, por me lembrarem que estão a orar por mim;
Agradeço o apoio e disponibilidade do meu genro;
Agradeço aos meus pastores e a todos os irmãos que intercedem pela minha vida - uma igreja guiada pelo Espírito e que se levanta em oração é uma igreja vitoriosa;
Agradeço a várias outras igrejas e irmãos que, no país e no estrangeiro, estão nesta corrente de amor.
Peço a Deus que a cada um dê bênçãos dobradas!

Quando tinha 11 anos tive um grave acidente de automóvel por atropelamento. Coma prolongado, morte aparente, muito sofrimento e perspectivas médicas negativas.
E Deus encorajou inúmeras igrejas do país em oração. Hoje tenho 65 anos e formei descendência.
O meu Deus faz milagres!
Não sei se agora o Senhor me quer usar dessa forma, se é um teste à minha fé, ou se é para deixar testemunho, porém, quero estar pronta a dizer: “Eis-me aqui!”

Se por vezes não consigo dar atenção a todos os irmãos que me abordam, peço desculpa e saibam que os considero e amo.

Aos 20 anos de idade descobri Romanos 12:12 este transformou-se no meu versículo favorito por toda a vida…, cada vez mais presente:
“Alegrai-vos na Esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração.”

(Mimi – 14.09.14)

Nota:

Esta carta foi lida pelo pastor Joede Venturini, há alguns domingos atrás, 
na III Igreja Baptista de Lisboa,  da qual a Mimi é membro.
Ela, fez questão de ma fazer chegar e é com conhecimento dela que estou a partilhá-la aqui com os amigos, pois sei,  e ela sabe, que há amigos que estão a interceder por ela ao Pai. 

segunda-feira, 29 de Setembro de 2014

Vamos todos colaborar com a enfermeira Ana e a enfermeira Nádia, nesta acção humanitária em África

Como é lindo este menino!
Caros amigos::

Da minha grande e doce amiga, terapeuta Alexandra, cujas mãos e coração estão ao serviço das pessoas para as cuidar e  aliviar sofrimentos - disse-me não há muito tempo, quando me  cuidava e eu lhe agradeci dizendo que  as suas mãos eram uma benção... disse-me esta frase que não carece de mais palavras: 
"As minhas mãos não são minhas, elas pertencem ao Senhor Deus" - dela, recebi este e-mail que aqui partilho convosco, com imensa alegria:

"Eu, Alexandra, fisioterapeuta na Clinica Fisiovita, sou mãe da enfermeira Ana Valinho, a jovem que decidiu encetar uma jornada louca por solidariedade: Ride for Ashanti.
Peço que se envolva nesta jornada, doando, se puder, e que encaminhe este e-mail a todos os seus amigos.

"A VERDADEIRA SABEDORIA CONSISTE EM SABER COMO AUMENTAR O BEM ESTAR DO MUNDO"
  Benjamin Franklin

Muito  obrigada por tudo


Em Setembro, Ana Valinho e Nádia Correia vão pedalar de Londres até Lisboa! Serão 2198 km’s percorridos em bicicleta com o objectivo de angariar fundos para a ONG britânica Foundation Human Nature. Poderá acompanhar esta aventura solidária através da SIC desde a partida (16/09/2014) até à chegada (11/10/2014) no Terreiro do Paço.
Ana e Nádia trabalharam na clínica desta ONG em Ashanti (Gana, África) como enfermeiras voluntárias no ano passado. Este ano a clínica carece de financiamento para a formação de mais duas enfermeiras e para pagar baterias novas dos painéis solares que são fundamentais na clínica devido aos frequentes e prolongados cortes de electricidade. E o governo do Gana não cobre estes custos!"
Faz o teu donativo em:
IBAN: PT 50 0035 0692 00012819 800 61
NIB: 0035 0692 00012819 800 61
Visita, mostra que gostas e partilha:



Veja o vídeo promocional em:
https://www.facebook.com/foundationhumannature?ref=ts&fref=ts#!/video.php?v=627282757381164&set=vb.553409658101808&type=2&theater

"De Londres a Lisboa de bicicleta em acção de solidariedade"- a reportagem da SIC disponível em:
http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2014-09-19-De-Londres-a-Lisboa-de-bicicleta-em-acao-de-solidariedade

domingo, 28 de Setembro de 2014

Porque hoje é Domingo (311)


Celebrai com  júbilo ao Senhor, todos os moradores  da terra.   
Servi ao Senhor com alegria, e apresentai-vos a Ele com canto.   
Sabei que o Senhor é Deus: Foi ele, e não nós, que nos fez povo seu  e ovelhas do seu pasto.   
Entrai pelas  portas dele, com louvor,  e em seus átrios com  hinos: louvai-o  e bendizei o seu nome.   
Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e  a sua verdade  estende-se   de geração em geração.
   (Livro dos Salmos Cap. 100)  

sábado, 27 de Setembro de 2014

Parabéns Nuno, pelos teus onze anos!

O Nuno  e a guitarra  da Sara

Hoje à tarde,  querendo Deus, a família vai juntar-se para celebrar os onze anos do Nuno, meu neto.
O Nuno é um rapazinho  terno, inteligente, alegre, "cheio de genica", e tem um doce coração.
Muito amigo da "avó Viviana"; foi ele, que  num passeio pela serra de Sintra, me ofereceu o seu ombro, para eu me apoiar...num caminho íngreme e difícil.
"Ó avó, se quiseres podes apoiar-te no meu ombro".
E eu apoiei. E, depois disso, não tem conta as vezes que já me apoiei no ombro do Nuno.
Está sempre atento,  para ver quando eu preciso de ajuda.

É um menino de ouro.

Parabéns, Nuno!

Obrigada, pelo teu carinho para comigo.
Que Deus, o teu e meu Deus, o Deus da nossa família e da família dos nossos pais, te abençoe.
Que sempre te dirija, acompanhe, guarde, e faça de ti um Homem de Bem.
Um grande abraço da avó Viviana

sexta-feira, 26 de Setembro de 2014

FUGA - Um poema de Pedro Homem de Mello


FUGA

O músico procura
Fixar em cada verso
O cântico disperso
Na luz, na água e no vento..

Porém luz, vento e água
Variam riso e mágoa
De momento a momento.

E em vão a ária dos dedos
Se eleva! Não traduz
Os súbitos segredos
Escondidos no vento,
Nas águas e na luz...

(Pedro Homem de Mello - no livro -SEGREDO  -  (!953)

quinta-feira, 25 de Setembro de 2014

O meu pai, as casas, e o culto doméstico

Era nesta salinha, para onde abre a porta,  que tinha lugar o culto doméstico. Ainda está sobre a mesa a Bíblia e o Hinário do pai. Faleceu há 39 anos.
                       
Hoje, de manhã cedo, (6.30h) quando me preparava para ter com Deus - o -Pai, o meu momento devocional, segurando a Palavra Sagrada - a Bíblia, nas minhas mãos, e, elevando os olhos para o "céu", ainda escuro e enevoado, comecei por agradecer ao Senhor o facto de eu conhecer esse livro precioso, desde bem pequenina, e, de cada vez mais o amar e gostar de o ler e nele reflectir.
Foi nesse momento, ainda preparatório, que procurei na minha mente o registo das primeiras memórias do culto doméstico, na nossa casa, dirigido pelo grande e fiel servo de Deus, que foi o meu querido e saudoso pai. "O filme, foi rodado", nas várias casas onde vivi desde que de mim me lembro como pessoa.Comecemos por a casa de Vilela - Cabeceiras de Basto, terra do meu pai e lugar aonde nos dirigimos quando, em Lisboa desembarcámos  do  paquete "Cabo de Boa Esperança", no longínquo ano de 1944. Recordo a casa, recordo o lugar, porém não encontro "registos" do culto doméstico, mas não duvido que os houvesse. Neste momento não posso, mas "tirarei isso a limpo" logo que possa contactar com a maninha Esperança, que, com mais três anos do que eu, se lembrará por certo.
A partir de Vilela, rumámos para Leiria, onde vivi dos sete aos 19 anos, e aí sim, na primeira casa onde morámos - a casa da eira - está perfeitamente registado o momento, o lugar e até a disposição(lugar) de cada um no culto. A seguir, fomos para a casa da "tia Guilhermina" - que era mesmo ali quase em frente, e como a senhora embarcou para o Brasil - de onde nunca regressou (que eu saiba) a família alugou-nos a casa. Aí, recordo perfeitamente os cultos domésticos; tinham lugar na cozinha á volta de uma grande mesa antiga.
Mais tarde, fomos morar para a casa do "ti Manel Trinta", também não muito longe dali. Os cultos eram realizados numa grande sala ampla.
Depois, voltámos para  a casa da "tia Guilhermina" e os cultos eram feitos no mesmo lugar de antes.
Mais tarde,  os meus pais e irmãos vieram para Maceira - Pero-  Pinheiro - onde ainda temos "a casa da aldeia". Ali em Maceira, os meus pais viveram em três casas. A primeira eu  não cheguei a conhecer(só mais tarde depois de eles de lá sairem) porque eu fiquei em Leiria.
Da segunda, que era bem pertinho da actual, recordo os cultos lá em casa. E, para além dos cultos  domésticos, começaram a fazer-se cultos evangelísticos, com muitos e variados pregadores, tais como o grande Missionário e teólogo Dr. Russel Shedd e  o  Dr. Samuel Faircloth.
Dessa casa passámos para a actual logo ali duas casas  adiante. Pois bem, nesta casa estão bem registados os cultos  domésticos.  Na mesa, que ainda hoje lá está, encontra-se a  Bíblia do pai  e o hinário, em cima. Bíblia e hinário, que depois do pai partir "foram adoptados" pela mãe.  Está cheia de anotações feitas tanto pela mãe como pelo pai. Há muitas páginas do hinário dobradas no canto. sinalizando os hinos que a mãe mais gostava de cantar.Ninguém desdobra, ninguem altera nada. Queremos que fique assim como eles deixaram.

 Ali,  viveram-se momentos muito, muito belos de louvor e adoração ao Senhor. Já com os netos .
Durante muitos, muitos anos, vieram ali muitos pregadores anunciar a Palavra Sagrada.

Depois, depois, veio- uma grave e prolongada doença -  ao pai, que enquanto pôde sempre dirigiu o culto com a família. Era tal a ligação do pai com a Palavra Sagrada, que na véspera de partir para o céu,  me pediu,  com a  voz já  pouco audível...que abrisse a Bíblia e lesse, para ele e para todos quantos naquele  quarto  do hospital, estavam, as bem-aventuranças, no Ev. de S. Mateus cap. 5:1 a 12. Nessa madrugada o Senhor o chamou para junto de si.
Assim, desde que lembro de mim, e até o pai poder, sempre, sempre, ele cultuou o Senhor  em família. Casa a casa, terra a terra,

O pai partiu, e a mãe deu continuidade ao trabalho evangelístico, na sua casa.
Já eram tantos... que havia duas reuniões: Uma primeiro, dirigida pelo então jovem, (hoje pastor) Jorge Ligeiro, só para as crianças que seriam mais de vinte. E outra a seguir, dirigida pelo pastor Jorge Leal, para os adultos. Tínhamos um pastor de Cabo Verde -  pastor João Filipe Gonçalves, que acompanhava  os hinos e cânticos com o "acordeão". Era muito bonito.
E, foi quando já não cabiam todos na sala,  que foi alugada uma casa onde foi organizada  a primeira Missão Baptista em Maceira.
A mãe era  uma pessoa fabulosa. Já viúva, qualquer pessoa que lhe batesse à porta, entrava e  era-lhe oferecido um chá e um biscoito; era  lida uma porção da Palavra Sagrada, e   elevada a Deus uma prece, em favor dessa pessoa e em glorificação do Senhor. A Bíblia estava sempre ao seu lado, para ser usada sempre que necessário.

Quando  abro a  porta e  entro na sala, ao ver a  mesa e tudo no mesmo lugar, forçosamente, revivo..aqueles deliciosos momentos.

 Hoje, de manhã cedo, ainda escuro, recordei tudo isto, quando me preparava mentalmente, espiritualmente e fisicamente, para ter o meu momento devocional com o meu Deus e Senhor
.
Ah! mas é tamanha a gratidão ao Senhor por tudo isto!...
Que abençoada fui e sou.
A Ele toda a Glória, Honra,  adoração e Louvor, hoje, e para todo o sempre.


quarta-feira, 24 de Setembro de 2014

México - Árvore de borboletas

Árvore de borboletas. Fonte da imagem: http://papo-viagem.blogspot.pt/
Uma vez por ano, a floresta de pinheiros elevados nas montanhas do centro do México adquirem um revestimento espectacular ao hospedarem milhões de borboletas -  monarca que ali vêm hibernar.Ao deparar-mos com o mar de asas cor-de-laranja e pretas que revestem cada árvore de cima a baixo, é fácil compreender a  razão porque os Aztecas acreditam que estas borboletas eram guerreiros reencarnados resplandecentes nas suas cores de batalha.
Na realidade, o ciclo de vida destas borboletas é fenomenal, não tivessem elas um comportamento migrador ímpar no mundo dos insectos. À medida que o tempo melhora, as borboletas adultas começam a voar em direcção a Norte. Ao longo da jornada migratória, vão depositando ovos em plantas  asclepiadáceas. As lagartas, alimentando-se do suco venenoso destas plantas, utilizam as suas toxinas como defesa contra predadores. A lagarta transforma-se em pupa e emerge como uma borboleta adulta que  continua a migração rumo a Norte.
Perto do final do verão, a diminuição da temperatura e da luminosidade alteram o comportamento das borboletas adultas, obrigando-as a voar, novamente, em direcção ao sul. A gordura acumulada no abdomen  fornece-lhes energia suficiente para fazerem esta longa jornada até ao México, que pode ser  4800 Km. Os cientistas ainda não entenderam  o sistema de navegação das borboletas - monarca, pois cada uma completa apenas parte do trajecto durante o seu breve período de vida. As centenas de milhões de borboletas que criam este impressionante espectáculo pertencem à terceira geração de borboletas do ano anterior.
Apesar de tudo isto, insistem em fazer essa jornada, provando que o seu habitat está ameaçado. Aquilo que torna as árvores de borboletas uma das mais espectaculares paisagens naturais, a densa aglomeração em pequenas áreas, torna-as igualmente vulneráveis aos madeireiros ilegais. Actualmente, é difícil observar as borboletas - monarca no período de hibernação, contudo,  durante os três meses desta fase, cerca de 10.000 visitantes, sobretudo famílias mexicanas e grupos de estudantes, viajam até ao santuário El Rosário, em Angangueo, para contemplar  esta maravilha. As florestas de abetos- sagrados situam-se no cume da montanha e a melhor forma  de chegar até eles  é com a  orientação de de um condutor local.

(No livro - 1001 Maravilhas  Naturais

  Que deveria ver antes de morrer

   Michael Bright