domingo, 2 de agosto de 2015

Porque hoje é Domingo (349)


«Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados; e andai em amor, como, também, Cristo nos amou, e se entregou  a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício suave...

...Ninguém vos engane com palavras vãs; porque, por estas coisas vem a ira de DEus  sobre os filhos da desobediência. Portanto, não sejais seus companheiros, porque noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz do Senhor, andai como filhos da luz.
(Porque o fruto do Espírito está em toda a bondade, e justiça e verdade); aprovando o que é agradável  ao Senhor....
 
...Pelo que diz: Desperta tu que dormes , e levanta-te de entre os mortos, e Cristo te esclarecerá.
Portanto, vede, prudentemente, como andais,não como néscios, mas como sábios, remindo o tempo, porquanto os dias sãos maus. Pelo que, não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do senhor.
 
   ( Ep. de S. Paulo aos Ef. 5:1 e 2; 6 a 10; 14 a 17)


sábado, 1 de agosto de 2015

Deus ainda fala - Pastor Orlando Arraz Maz


“Os céus manifestam a glória de Deus
e o firmamento anuncia a obra das suas mãos” (Salmo 19:1)

DEUS AINDA FALA

«Creio que Davi escreveu este salmo olhando para um céu bem estrelado. Como pastor de ovelhas, quantas noites contemplou os céus, pois muitos dos seus Salmos falam do firmamento expressando a grandeza de Deus.


Certa vez Deus levou Abraão para fora de sua tenda e apontou para um céu cheio de estrelas, e foi desafiado a contá-las, para que pudesse entender sua numerosa descendência. (Gên. 15:5)

Quem sabe, na noite em que Jesus nasceu o céu estivesse repleto de estrelas, e no meio delas apareceram multidões de anjos anunciando o seu nascimento. Que quadro majestoso para encher os olhos.

Davi nos ensina que o firmamento é um excelente professor silencioso da majestade de Deus, que nos encanta sem usar palavras. 

Há um hino muito apreciado que expressa bem este pensamento: “Senhor, meu Deus! Contemplo, extasiado, o teu poder na vasta criação; ouço o trovão, o céu vejo estrelado e, em tudo, vejo a tua forte mão.” (HC 467)

Muitas vezes olhando para o firmamento não podemos contemplar nenhuma estrela. Embora presentes elas se ocultam na densa escuridão, entre nuvens espessas, mas nem por isso deixam de exaltar o poder de Deus na criação. 

De fato é deveras maravilhoso ver o céu em uma noite bem clara, de lua cheia cravejado de estrelas, e refletir na grandeza de um Deus que as criou e que veio a este mundo para salvar o homem dos seus pecados.

É interessante notar que ninguém escapa de seu ensino, pois toda a criatura está sob o firmamento e pode apreciar um céu cheio de estrelas. ”Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes em toda a extensão da terra, e as suas palavras, até ao fim do mundo”. (Salmo 19:4)

É impossível deixar de crer num Deus tão grandioso, que não somente se revela pela grandiosidade da sua criação, mas pelo seu amor em enviar ao mundo seu único filho para morrer em uma cruz e salvar os homens dos seus pecados.

“As estrelas, aos milhares, cintilantes, lá nos céus, como aqui as belas flores, falam-me de Deus. Ouço a sua voz nas águas, vejo a sua mão no mar, pois que pelas suas obras quis se revelar”. (HC 89).

Que tal olharmos para o firmamento e ao mesmo tempo para a cruz onde o Salvador morreu, e confiar nele de todo o coração. Ninguém terá desculpas perante Deus, como Paulo nos ensina ao escrever a carta aos Romanos: “Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis; porquanto, tendo conhecido a Deus, contudo não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu.” (1:19,20,21)»

 
Que assim seja.

Orlando Arraz  Maz© - no blogue - http://arrazmaz.blogspot.pt


sexta-feira, 31 de julho de 2015

A floresta é generosa

Um presente lindo da floresta - Fonte da imagem: tockandar.blogspot.com

«A floresta é generosa. Pode dispensar ao homem a madeira de algumas das suas árvores, e todo o tempo a floresta silenciosa está activa, dando-nos o oxigénio, ajudando a eliminar os poluentes. Mesmo visualmente, as árvores são belas e aliviam o stress, mas no  seu silêncio elas fazem muito mais. A sua única voz é o vento; elas não têm voto nem protecção.»

(Sir Frank Fraser Darling - no belissimo livro: O meu Livrio da Natureza)

quinta-feira, 30 de julho de 2015

Moram agora no céu - os queridos irmãos - Manuel Gaspar, Maria Cristina Vistas e Fernando Cábi

Neste ano de 2015, muitos meus  amados irmãos e irmãs na fé, mudaram-se para o céu. Tocou o clarim, e eles que estavam preparados para a partida, foram  transportados à glória.Como diz a Palavra Sagrada: "Para que descansem dos seus trabalhos e as suas obras os sigam".

Nas últimas três semanas partiram três. O primeiro deles foi o meu amado irmão Manuel Gaspar, membro fiel da igreja Evangélica Baptista de Morelena - Pero - Pinheiro - Sintra.


Creio que o poderia chamar de "irmão sorriso". Sempre me lembro dele como "introdutor". Tinha a função de, meia hora antes  do  culto, abrir a porta da Casa de Oração .Recordo que eu e o pastor, meu irmão, éramos os primeiros a chegar, depois do irmão Manuel Gaspar. Ele estava sentadinho no seu lugar de toda a vida - orando em silêncio,  com os olhos fechados, sorrindo para Deus. Algumas vezes  lhe falei sobre isso, e ele, só sorria para mim, não dizia mais nada. Eu pensava: sobre o que é que ele estaria a falar com o Senhor que o levava a sorrir.
Nunca o saberei, mas eram decerto coisas lindas.
Era um homem de poucas palavras, mas de uma  grande fé  e um eficiente testemunho cristão. 
Deixou um bom nome, e uma boa recordação, em Morelena e arredores.


Na semana seguinte, o Senhor chamou a  minha querida irmã Maria Cristina Vistas, também membro da Igreja Evangélica Baptista de Morelena. Lembro-me´dela muito jovem, linda, muito linda! Deus deu-lhes três filhas, as quais ela sempre vestia de igual. Até serem jovens as três irmãs sempre vestiram de igual. Roupa bonita,  feita por a mãe... sempre muito bem penteadas...Eram conhecidas por todos ali à volta. Muito prendadas, a Rosa Maria, a Eunice e a Dulce, serviam ao Senhor, e ainda servem... com imensa alegria. Quando jovens formaram um trio de vozes que cantava e encantava toda a gente. Ainda há cerca de dois meses, numa festa de Homenagem ao seu pastor te tantos anos, elas cantaram um desses cânticos.
Mas falemos da sua mãe, da irmã Maria Cristina.Sabia cozinhar muito bem. Cozinhou a vida inteira- enquanto pôde para toda a família Ao domingo todos iam almoçar lá a casa. Também cozinhou bastante em almoços na comunidade para angariação de fundos para a construção do Centro de Dia e Lar da Terceira Idade, na aldeia. Ela e a irmã Lisete, chegarm a cozinhar para mais  300 pessoas. Enquanto pôde, sempre colaborou com o Centro de Dia e o Lar de Idosos..
A querida irmã Maria Cristina, conhecendo-me há muito e sabendo "das minhas dores", quando eu chegava junto dela, ou ela junto de mim, sempre dizia com um doce sorriso e uma voz suave : Então, Viviana?
Sei que me estimava muito e queria-me muito bem. 

Uma nota importante: Tinha um belo jardim junto de casa, onde semeava e plantava flores para enfeitar  a Casa de Oração. Rosas, das mais belas rosas! Lírios! Coroas imperiais! Hortensias! E. frésias...das mais lindas frésias. Também outras irmãs traziam das suas flores para alegrar a Casa de Oração. Sempre, sempre pelo menos há cerca de sessenta anos, que aquele jarrão está belíssimo, sempre, sempre, com flores naturais. Um dia, vendo lá frésias, de um tom rosa tão lindo, e sabendo que eram do jardim da irmã Maria Cristina, pedi-lhe umas mudas para pôr no meu jardim da casa da aldeia, Pois a querida irmã Cristina logo mas trouxe e elas "pegaram" tão bem... que já estão há  dezenas de anos... e  todas as primaveras florescem e alegram o meu jardim.
Iguais a estas.


Na semana seguinte, o senhor chamou para si, o meu querido irmão Fernando Cábi, natural da Guiné- Bissau. Era jovem, tinha apenas 44 anos. Pai de duas meninas - A Isabel de 14 anos e a Madalena de 1O. 
O Fernando  casou por procuração, com uma linda e heróica mulher - a Quinta Sanca, que já estava em Portugal há vários anos quando o Fernando, depois de casar, chegou a Portugal, mais propriamente à Amadora. Quando o marido chegou a Quinta já tinha conseguido comprar uma casa, com o seu pequeno salário de empregada fabril. O Fernando conheceu o evangelho  ainda na Guiné. Através da ajuda e apoio de um tio, conseguiu preparar-se  na área  do ensino da Palavra Sagrada.  Era um homem grande! Tinha mais de dois metros! Robusto e forte.
Nunca esquecerei as suas orações  em voz alta, nos cultos. Tinha uma fé firme e inabalável. Ao chegar a Portugal "tirou" a carta de pesados de longo curso, tendo viajado por toda a Europa. Com a chegada da crise ficou sem trabalho e emigrou para o Luxemburgo, onde estava ultimamente. A esposa, a querida Quinta, como muitas outras jovens mulheres guineenses, emigraram para a Inglaterra, mais propriamente Manchester, onde logo conseguiu trabalho e o direito a uma boa casa. Trabalha num Hotel, trabalho bastante pesado mas que ela não tem dificuldade em enfrentar.
Na véspera do Natal  de 2014, o Fernando tendo vindo a Portugal tratar de uns assuntos, sofreu um acidente, ficando cerca de seis   meses em estado de coma, não tendo resistido a uma infecção respiratória.
O Culto fúnebre foi uma belíssima expressão de fé, da Quinta Sanca,  Foram momentos extraordinariamente tocantes e belos. 
Do meu querido irmão Fernando Cábi, vou guardar o afecto e o amor cristão do último abraço que me deu, poucos dias antes do acidente. Olhando-me, com um sorriso muito lindo e muito doce, correu para mim e abraçando-me disse-me: "Ó minha querida irmã Viviana!

Sou muito, muito grata ao Deus de amor, por  todo o carinho recebido destes três queridos irmãos: 
irmão Manuel Gaspar, irmã Maria Cristina Vistas e irmão  Fernando Cábi. 

Obrigada Senhor por estas três preciosas vidas!
O quanto me deram ! O quanto me amaram!
Os exemplos de fidelidade  a Cristo e aos irmãos na fé.
Até logo, meus caros
A gente vê-se um dia destes.

terça-feira, 28 de julho de 2015

Para que tenham uma ideia de como é "a minha horta".

Pode ver-se a encosta da Serra de Sintra com o Palácio e o Castelo.  A horta fica  em frente deste telhado.         
Um aspecto da horta. Em primeiro plano as batateiras de onde comemos hoje, as batatas.

 Um outro aspecto.  Em primeiro plano as plantas que dão "a chia"

Lá à frente, junto à ribeira,  pode ver-se um belíssimo canavial de canas da Ìndia.

Eu, "escondida" no meio da enorme nogueira.

Os tomates
As courgetes
O pepino
As romãs
As nozes
Alguns produtos recolhidos

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Revelando a beleza de Cristo


REVELANDO A BELEZA DE CRISTO

«Quando pensamos na doutrina da salvação, o que, imediatamente, nos vem à mente é a bondade da graça divina que nos garante o perdão dos nossos pecados, a absolvição (ou libertação) da condenação eterna e a certeza e o gozo da vida eterna, que nos é outorgada no presente e que será plenamente desfrutada na presença de Deus, na nova terra que será preparada para esse mesmo fim.
Embora estas bênçãos façam, de facto, parte das consequências da obra expiatória que o Senhor Jesus realizou na cruz do Calvário, há, contudo,  um elemento qualificador que a todas elas dá sentido.
Segundo o ensino das Escrituras, o ponto mais alto da nossa experiência cristã será a nossa glorificação, isto é, a plenitude da santidade que irá caraterizar a nossa vida, adequando-a à nova realidade de proximidade e de comunhão com o Deus santo (Romanos 8: 17,18).
A ressurreição dos nossos corpos (ou a sua transformação aquando da vinda do Senhor Jesus) inaugurará o estado final e permanente da nossa nova vida em Cristo, isto é, a redenção do nosso corpo (Romanos 8:23).
A santificação, portanto, é a operação sobrenatural que o Espírito santo realiza no interior de cada um daqueles que foram regenerados e justificados por Deus, realizando as “cirurgias” necessárias a fim de que, no final, as marcas do caráter de Cristo estejam bem patentes na personalidade de cada filho do Pai celeste.
O processo da operação espiritual levada a cabo pelo ministério e pelo poder transformador do Espírito Santo requer uma resposta e uma entrega voluntárias por parte do crente.
A evidência das mudanças que vão sendo operadas no coração (centro da personalidade humana) garantem a qualidade da saúde espiritual, necessária a todos aqueles que foram alcançados pela maravilhosa graça divina. É por esta razão que o autor bíblico afirma que “sem a santificação, ninguém verá a Deus” (Hebreus 12:14). Significa que a santificação funciona como a “bússola” que garante a rota certa rumo à bendita presença de Deus.
O desafio divino aos salvos em Cristo é que estes, diferentemente de Moisés que resolveu ocultar a glória refletida em seu rosto, por ter estado na presença de Deus, reflitam a imagem do caráter de Cristo, por meio do seu viver.
A glória e a imagem de Cristo a serem reveladas têm a ver com o Seu caráter. Por outras palavras, essa glória corresponde ao fruto do Espírito, marca e evidência da presença e da Sua ação no interior de um coração quebrantado, amolecido e transformado pelo poder divino (Gálatas 5: 22,23).
Essa transformação é um processo contínuo, por meio do qual a experiência da fé vai alcançando, progressivamente, diferentes e crescentes graus de glória, até ao “dia de Cristo” (Filipenses 1:6).
Esta é a razão pela qual o apóstolo Paulo  apelou, com alguma emoção, aos crentes em Roma, rogando-lhes que se deixassem transformar pela renovação da sua mente (Romanos 12:2). É como se o apóstolo os estimulasse a “deixar que o Espírito realizasse a sua sensível obra de transformação interior” neles, a fim de que a beleza de Cristo, e não a feiura do mundo, fosse vista por todos.
Que o Senhor de toda a glória nos dê a sua graça, capacitando-nos a viver de modo tal que a glória, o caráter e a beleza de Cristo sejam patentes diante daqueles que se encontram no nosso raio de ação ou que connosco vivem.
Que o Senhor afaste de nós tudo o que venha ofuscar a santidade e a beleza do nosso bom Mestre, impedindo  muitos de verem a glória e os resultados (maravilhosos) do poder da cruz em nós e através de nós». 
Soli Deo Gloria! 


Pastor Samuel Quimputo
Boletim 164
26 julho 2015

domingo, 26 de julho de 2015

Porque hoje é Domingo (348)



Ouvindo a Palavra Sagrada na Casa  de Oração da Igreja Baptista das Boas -Novas - Amadora

«Mas tu és o que me tiraste do ventre; 
fizeste-me confiar, estando aos seios de minha mãe.
Sobre ti fui lançado desde a madre;
tu és o meu DEus desde o ventre de minha mãe.
Não te alongues de mim, pois a angústia
está perto, e não há quem ajude...

...Então declararei o teu nome aos meus irmãos;
louvar-te-ei no meio da congregação.»

(Salmo 22:9 a 11 e 22)