... como eles crescem; não trabalham nem fiam; e eu vos digo que nem mesmo Salomão, com toda a sua glória, se vestiu como um deles.
Ev.de Mateus 6:28 e 29.

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

Tentando apanhar a própria sombra

Fonte da imagem: www.mundofotos.net
Muitas pessoas correm atrás da luz, da paz e da alegria. Em parte alguma (da Palavra Sagrada) somos exortados a procurar essas coisas. Se damos entrada a Cristo nos nossos corações, elas virão por si mesmas. Lembro-me de, quando era rapaz, procurar debalde alcançar a minha sombra.Um dia ia  andando com o rosto virado para o sol; olhei em torno por acaso e verifiquei que a minha sombra  me seguia. Quanto mais depressa andava, mais ràpidamente a sombra corria atrás de mim; era-me impossível fugir dela.
Do mesmo modo a paz e a alegria nos seguirão, se voltarmos  o rosto para o Sol da Justiça.

    ( D.L. MOODY - no livro - O Caminho para Deus e como encontrá-lo)

terça-feira, 22 de Julho de 2014

Um pensamento de Margarida Carpinteiro

Margarida Carpinteiro - Atriz e escritora portuguesa
"Quando a gente quer muito uma coisa, e essa coisa é digna de nós, e nós dela, essa coisa acontece"

                 (Margarida Carpinteiro)

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

O Cristão deve comunicar a Palavra de Deus


Como cristãos, devemos estar tão cheios da Palavra de Deus de modo  que ela flua espontâneamente das nossas vidas.

...Nem todos podemos transmitir a Palavra de Deus da mesma maneira. Temos de encontrar o canal que Deus escolheu para nós e depois usá-lo...
...Todo o cristão deve ser, uma testemunha de Cristo. O Senhor Jesus disse:"Recebereis o poder do Espírito Santo que há-de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria. e até aos confins da terra." (Act. 1:8)
Nós devemos testemunhar com as nossas vidas  e com a Palavra. Se as nossas vidas não forem  coerentes (isto não significa que  tenhamos de ser perfeitos), os homens troçarão do que dizemos. Testemunha é alguém que diz  o que sabe. Não podemos ser testemunhas de Cristo, se O não conhecermos. Não daremos testemunho de Cristo a não ser que  que experimentemos o poder do Espírito Santo nas nossas próprias vidas.Quando tentamos dar testemunho na energia da carne, sentimos que isso se torna um fardo bem pesado. É um prazer testemunhar com o auxílio do Espírito Santo. Quando somos fiéis em testemunhar aos que nos rodeiam, a esfera da nossa utilidade torna-se mais ampla.A pessoa que transmite a Palavra de Deus tem a promessa  duma recompensa eterna. "Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente  andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.(Salmo 126:5 e 69.

( No livro - Maravilhosas Palavras de Vida - de Homero Duncan)

domingo, 20 de Julho de 2014

Porque hoje é Domingo (301)


Ai daqueles que nas suas camas intentam a iniquidade, e maquinam o mal; à luz da alva  o praticam, porque está no poder das suas mãos!
Cobiçam campos, e roubam-nos, cobiçam casas e arrebatam-nas; assim fazem violência a um homem e à sua casa, a uma pessoa e à sua herança.

  ( Livro do profeta Miquéias cap.2:1 e 2)

sábado, 19 de Julho de 2014

O Mar - Michel Quoist

O mar calmo  na Praia  Grande - Sintra

  O MAR

...Eu vi, Senhor, o mar sombrio e furioso, investir contra os
          rochedos.
De longe as vagas  tomavam o impulso, orgulhosas, de pé,
       saltavam, atropelavam-se umas ás outras, para toma-
       rem a frente e serem  as primeiras a bater.
Quando se desmanchava a espuma branca, deixando intac-
       ta a rocha, tinham partido as vagas, correndo para de
       novo se lançarem.

Vi, outro dia, o mar calmo e sereno.
Vinham de muito longe as ondas de bruços rastejando,
       para não chamar a atenção.
Dando-se as mãos, ajuizadas, deslizavam sem ruído e
       espraiavam-se á vontade na areia, para tocar a orla,
       com a ponta dos seus  bonitos dedos de espuma.

Faze, Senhor, que eu evite as pancadas sem rumo que
       cansam e magoam, e não atigem o inimigo.
Afasta de mim as cóleras espectaculares, que chamam
       a atenção mas deixam inútilmente enfraquecido.
Não permitas que orgulhosamente eu queira sempre pre-
      terir os outros, esmagando, ao passar, os que vão à
      frente.
Apaga do meu rosto o ar sombrio das tempestades ven-
      cedoras.

Ao contrário, Senhor, faze que calmamente eu preencha
     os meus dias, tal como o mar lentamente recobre toda
     a praia.
Faze-me humilde como o mar, quando silencioso e ameno
       avança sem se fazer notar.
Dá-me a graça de esperar os meus irmãos, medir  os meus
      passos pelos deles, para com eles subir.
Concede-me a perseverança triunfante das ondas.
Faze que cada um dos meus recuos seja ocasião de subida.
Dá a meu rosto a claridade das águas límpidas, à minha
      alma a brancura da espuma;
Ilumina a minha vida como os raios do Teu Sol fazem
        cantar o espelho das águas.
Mas sobretudo, Senhor, faze que eu não guarde para mim
      esta Luz, e que todos os que de mim se aproximem
      voltem a casa ávidos de se banharem na Tua Graça
      Eterna.

( Michel Quoist - no livro - Poemas para Orar)

quinta-feira, 17 de Julho de 2014

Eu e as rosas

Uma rosa com os seus botões - no meu jardim
Cada vez que saio por aí, como hoje de manhã, por exemplo, quando atravessava o centro da minha aldeia, espanto-me, e deslumbro-me... com a diversidade e a beleza das rosas. Paro, muitas vezes, e fico olhando-as em silêncio, sorrindo. Elevo, então, os meus olhos ao céu,  agradecendo ao Deus - Criador...a dádiva preciosa das rosas. Elas tornam a minha vida mais colorida e linda!

quarta-feira, 16 de Julho de 2014

Nós, portugueses somos castos - Um poema de Pedro Homem de Melo

Rancho Folclórico de Viana do Castelo Fonte: http://folcloreviana.com/

NÓS PORTUGUESES, SOMOS CASTOS

Nós, portugueses, somos castos.
Ninguém nos peça  o que não somos.
Por isso, em nós, andam de rastos,
Árvores de oiro com mil pomos.

Em nossos olhos moram lutos.
Os pomos de oiro estão nos ramos.
Ás vezes tentam-nos os frutos
(Os pomos de oiro estão nos ramos!)

Nós portugueses, somos castos.
Ninguém nos peça um rosto alheio.
Árvores de oiro andam, de rastos,
Partidas todas pelo meio.

Pedro Homem de Melo - no livro Bodas Vermelhas